sábado, 28 de novembro de 2009

Marretas

E agora cá vai o video mais visto dos ultimos tempos.

domingo, 25 de outubro de 2009

Dr. Robert...

E andava eu a ver o "Across The Universe" quando me deparei com esta preciosidade.

domingo, 18 de outubro de 2009

I'm older now...

Como dizia o jay jay johansson estou mais velho agora, muito mais velho do que quando era novo.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Para o meu gato... Adeus Zorbas! Que sejas muito feliz onde quer que estejas. Obrigado por estes 10 anos. O ÚLTIMO VOO!

O gato grande, preto e gordo estava a apanhar sol na varanda, ronronando e meditando acerca de como se estava bem ali,recebendo os cálidos raios pela barriga acima, com as quatro patas muito encolhidas e o rabo estendido.
No preciso momento em que rodava preguiçosamente o corpo para que o sol lhe aquecesse o lombo ouviu o zumbido provocado por um objecto voador que não foi capaz de identificar e que se aproximava a grande velocidade. Atento, deu um salto, pôs-se de pé nas quatro patas e mal conseguiu atirar-se para um lado para se esquivar à gaivota que caiu na varanda.
Era uma ave muito suja.Tinha todo o corpo impregnado de uma substância escura e malcheirosa.
Zorbas aproximou-se e a gaivota tentou pôr-se de pé arrastando as asas.
— Não foi uma aterragem muito elegante — miou.
— Desculpa. Não pude evitar — reconheceu a gaivota.
— Olha lá, tens um aspecto desgraçado. Que é isso que tens no corpo? E que mal que cheiras! — miou Zorbas.
— Fui apanhada por uma maré negra. A peste negra. A maldição dos mares. Vou morrer — grasnou a gaivota num queixume.
— Morrer? Não digas isso. Estás cansada e suja. Só isso. Porque é que não voas até ao jardim zoológico? Não é longe daqui e lá há veterinários que te poderão ajudar — miou Zorbas.
— Não posso. Foi o meu voo final — grasnou a gaivota numa voz quase inaudível, e fechou os olhos.
— Não morras! Descansa um bocado e verás que recuperas. Tens fome? Trago-te um pouco da minha comida, mas não morras — pediu Zorbas, aproximando-se da desfalecida gaivota.
Vencendo a repugnância, o gato lambeu-lhe a cabeça. Aquela substância que a cobria, além do mais, sabia horrivelmente. Ao passar-lhe a língua pelo pescoço notou que a respiração da ave se tornava cada vez mais fraca.
— Olha, amiga, quero ajudar-te mas não sei como. Procura descansar enquanto eu vou pedir conselho sobre o que se deve fazer com uma gaivota doente — miou Zorbas preparando-se para trepar ao telhado.
Ia a afastar-se na direcção do castanheiro quanto ouviu a gaivota a chamá-lo.
— Queres que te deixe um pouco da minha comida? — sugeriu ele algo aliviado.
— Vou pôr um ovo. Com as últimas forças que me restam vou pôr um ovo. Amigo gato, vê-se que és um animal bom e de nobres sentimentos. Por isso, vou pedir-te que me faças três promessas. Fazes? — grasnou ela, sacudindo desajeitadamente as patas numa tentativa falhada de se pôr de pé.
Zorbas pensou que a nobre gaivota estava a delirar e que com um pássaro em estado tão lastimoso ninguém podia deixar de ser generoso. — Prometo-te o que quiseres. Mas agora descansa — miou ele compassivo.
— Não tenho tempo para descansar. Promete-me que não comes o ovo — grasnou ela abrindo os olhos.
— Prometo que não te como o ovo — repetiu Zorbas.
— Promete-me que cuidas dele até que nasça a gaivotinha.
— Prometo que cuido do ovo até nascer a gaivotinha.
— E promete-me que a ensinas a voar — grasnou ela fitando o gato nos olhos.
Então Zorbas achou que aquela infeliz gaivota não só estava a delirar, como estava completamente louca.
— Prometo ensiná-la a voar. E agora descansa, que vou em busca de auxílio — miou Zorbas trepando de um salto para o telhado.

domingo, 24 de maio de 2009

Amália Ontem

E para que não se duvide que Amália também era POP fiquem com esta preciosidade... Acaba com qualquer romantismo Eh! Eh! Eh!

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Amália Hoje

Muito se tem discutido este albúm e muitas criticas se têm feito. Por mim trata-se nada mais nada menos do que Amália Hoje... A prova disso é a simplicidade das letras que nos trespassam de alguma forma. Teria talvez apostado um pouco mais na vós da Sónia mas não deixa de ser um albúm bem português. E não é preciso gostar de fado. Agora do que gosto mesmo é da capa do disco. Deixo-vos um magnífico video.

terça-feira, 7 de abril de 2009

HISTÓRIA DE PORTUGAL

Não sei quem escreveu mas...



Tudo começou com um tal Henriques que não se dava bem com a mãe e acabou por se vingar na pandilha de mauritanos que vivia do outro lado do Tejo.

Para piorar ainda mais as coisas, decidiu casar com uma espanhola qualquer e não teve muito tempo para lhe desfrutar do salero porque a tipa apanhou uma camada de peste negra e morreu. Pouco tempo depois, o fulano, que por acaso era rei, bateu também as botas e foi desta para melhor. Para a coisa não ficar completamente entregue à bicharada, apareceu um tal João que, ajudado por um amigo de longa data que era afoito para a porrada, conseguiu pôr os espanhóis a enformar pão e ainda arranjou uns trocos para comprar uns barcos ao filho que era dado aos desportos náuticos. De tal maneira que decidiu pôr os barcos a render e inaugurou o primeiro cruzeiro marítimo entre Lisboa e o Japão com escalas no Funchal, Salvador, Luanda, Maputo, Ormuz, Calecute, Malaca, Timor e Macau. Quando a coisa deu para o torto, ficou nas lonas só com um pacote de pimenta para recordação e resolveu ir afogar as mágoas, provocando a malta de Alcácer-Quibir para uma cena de estalo.

Felizmente, tinha um primo, o Filipe, que não se importou de tomar conta do estamine até chegar outro João que enriqueceu com o pilim que uma tia lhe mandava do Brasil e acabou por gastar tudo em conventos e aquedutos. Com conventos a mais e dinheiro menos, as coisas lá se iam aguentando até começar tudo a abanar numa manhã de Novembro. Muita coisa se partiu. Mas sem gravidade porque, passado pouco tempo, já estava tudo arranjado outra vez, graças a um mânfio chamado Sebastião que tinha jeito para o bricolage e não era mau tipo apesar das perucas um bocado amaricadas. Foi por essa altura que o Napoleão bateu à porta a perguntar se o Pedro podia vir brincar e o irmão mais novo, o Miguel, teve uma crise de ciúmes e tratou de armar confusão que só acabou quando levou um valente puxão de orelhas do mano que já ia a caminho do Brasil para tratar de uns negócios. A malta começou a votar mas as coisas não melhoraram grande coisa e foi por isso que um Carlos anafado levou um tiro nos coiratos quando passeava de carroça pelo Terreiro do Paço. O pessoal assustou-se com o barulho e escondeu-se num buraco na Flandres onde continuaram a ouvir tiros mas apontados a eles e disparados por alemães. Ao intervalo, já perdiam por muitos mas o desafio não chegou ao fim porque uma tipa vestida de branco apareceu a flutuar por cima de uma azinheira e três pastores deram primeiro em doidos, depois em mortos e mais tarde em beatos.

Se não fosse por um velhote das Beiras, a confusão tinha continuado mas, felizmente, não continuou e Angola continuava a ser nossa mesmo que andassem para aí a espalhar boatos. Comunistas dum camandro! Tanto insistiram que o velhote se mandou do cadeirão abaixo e houve rebaldaria tamanha que foi preciso pôr um chaimite e um molho cravos em cima do assunto. Depois parece que houve um Mário qualquer que assinou um papel que nos pôs na Europa e ainda teve tempo para transformar uma lixeira numa exposição mundial e mamar duas secas da Grécia na final.

E o Cavaco?
O Cavaco foi com o Pai Natal e o palhaço no comboio ao circo.

domingo, 29 de março de 2009

Azar ou Sorte?

Será que este homem teve um azar brutal ou uma sorte nunca antes vista. Aqui está uma notícia de ontem:

Japonês sobreviveu à explosão de duas bombas atômicas
Tsutomu Yamaguchi testemunhou ataques a Hiroshima e Nagasaki, em 1945

Se alguém pode dizer que foi, ao mesmo tempo, vítima de azar extremo e favorecido pela sorte grande é o japonês Tsutomu Yamaguchi.

Atualmente com 93 anos, ele se tornou ontem – 64 anos depois do fim da II Guerra Mundial –, a primeira pessoa a ser oficialmente reconhecida pelas autoridades de seu país como sobrevivente de duas bombas atômicas, a de Hiroshima, lançada pelos EUA em 6 de agosto de 1945, e a de Nagasaki, jogada três dias depois. Nas duas ocasiões, o japonês estava dentro de um raio de três quilômetros do “marco zero”, o epicentro da explosão.

Yamaguchi já era oficialmente um “hibakusha”, ou sobrevivente da radiação. A comprovação de que uma pessoa sobreviveu ao bombardeio garante ajuda financeira mensal do governo do Japão, check-ups gratuitos e auxílio-funeral. No entanto, o valor recebido por Yamaguchi não dobrará ou aumentará pelo fato de ele ter sido vítima de dois ataques.

Em 6 de agosto de 1945, o japonês estava em Hiroshima em viagem de negócios quando o avião B-29 americano Enola Gay lançou a bomba atômica “Little Boy” sobre a cidade. Ele sofreu sérias queimaduras no peito e nas costas e passou a noite em um abrigo antiaéreo. Outras 140 mil pessoas não tiveram tanta sorte e perderam a vida imediatamente ou nos meses seguintes, devido à radiação. No dia 7, sem sequer ter entendido direito o que havia acontecido, Yamaguchi pegou o trem de volta para a cidade onde morava, a 290 quilômetros de distância – Nagasaki. No dia 9, testemunhou a explosão da segunda bomba, a “Fat Man”, que matou outras 70 mil pessoas.

Enquanto muitos sobreviventes morreram prematuramente devido a câncer e doenças do fígado causados pela exposição à radiação, Yamaguchi permanece com boa saúde para sua idade, a não ser pela quase surdez em um ouvido e pelas reclamações de que suas pernas estão “ficando fracas”. Seu próprio filho, que era um bebê em 1945, morreu de câncer aos 59 anos.

A vida a cores???

segunda-feira, 23 de março de 2009

Um grande abraço...

Há dias assim... Quando menos se espera vêm ter connosco sensações e pessoas que nos motivam e nos fazem sorrir. Este fim de semana tivemos a visita da Rita e do pequeno Martim. Bela risada. Faz-nos bem rir e por vezes alhearmo-nos da própria realidade. É claro que a amiga Carla também lá esteve. Por tudo, obrigado amigos.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Florença para os pequeninos...






















E para quem não se lembra da casa do pinóquio em Florença cá vai uma pequena recordação.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

U2

Relativamente ao novo album dos U2 apenas duas palavras...



OBRIGADO ANDRÉ!!!!!!!!!!!!!!!!!!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Um dia...

Um dia enviaram-me este video e não me esqueci dele... Por isso em jeito de recordação cá vai ele. Silence, i kill you... Bem engraçado. É claro que nada bate a boa disposição do anterior video.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

UM SORRISO...



Em tempos menos bons, e após ter ouvido ontem na rádio, resolvi colocar neste espaço este verdadeiro hino à boa disposição. Deparei-me com esta pérola...

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Um bom copo de vinho



Um bom copo de tinto anima a conversa. Descontrai, enche a cara de vermelho e faz-nos viajar. Sem exageros mas sem medo de se deixar levar deve-se beber com companhia. E porque a vida é muito curta aqui deixo um brinde aos amigos, aos novos e aos velhos...

JRSA

PS: Um bom vinho- Quinta do Crasto vinhas velhas 2005.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

WOODY ALLEN


EXISTE APENAS UMA PALAVRA PARA ESTE FILME:

GENIAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

SECOND LIFE


Fiquei surpreendido com este filme. Interessante! É de se ver pois para um filme português tem uma produção muito interessante.

www.secondlife-movie.com

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

O porquê das coisas...


Deve existir uma razão para que tudo corra mal... Dizem os entendidos que depois da tempestade... Mas o certo é que nada tem ajudado à manutenção da boa disposição. Tentamos, tentamos mas isto está difícil. O melhor é viajar para longe, muito longe. Aproveitar a onda de frio e ir mais uma vez por esta velha Europa fora.